O projectoAs ĮguiasSeguimento à DistânciaNordeste TransmontanoRelatórios do Projecto
Leia o nosso Diário de Bordo Home PageContactosLinksPostais VirtuaisNewsletterFAQMapa do Site  


Seguimento via Satélite

Colocação dos PTTs nas aves

Na área de estudo ambas as espécies têm hábitos de nidificação em substractos rupícolas, deste modo a marcação de juvenis exige a descida a ninhos com material de escalada.

Selecção dos juvenis

A escolha dos juvenis a incluir neste estudo dependeu essencialmente de dois factores: 1) juvenis com idade de marcação durante as datas disponíveis para deslocação a Portugal por parte do técnico Vitor Matarranz disponibilizado pelo Ministério do Ambiente de Espanha, 2) ninhos situados em afloramentos rochosos relativamente acessíveis e que permitissem uma intervenção pouco demorada (menos perturbação para as aves).


Juvenil de Águia de Bonelli
Juvenil de Águia de Bonelli

 

Zona de nidificação de um dos ninhos seleccionados para o presente estudo
Zona de nidificação de um dos ninhos seleccionados para o presente estudo

 


Idade de marcação

Para captura das aves procedeu-se à descida aos ninhos mediante técnicas de escalada, antes dos juvenis terem atingido os 50 dias idade (no caso da Águia-real) e 45 dias (no caso da Águia de Bonelli) a partir da qual o risco de saltarem do ninho passa a ser muito elevado. De forma a estimar correctamente a data ideal para a marcação dos juvenis foi efectuado um seguimento quinzenal dos ninhos, iniciado logo após o nascimento dos juvenis.

 

Juvenis de águia de Bonelli com cerca de 20-25 dias
Juvenis de águia de Bonelli com cerca de 20-25 dias


Juvenis de Águia de Bonelli com cerca de 42-45 dias
Juvenis de Águia de Bonelli com cerca de 42-45 dias

 


Preparação da descida

Procedeu-se à preparação da deslocação aos ninhos com a máxima antecedência e garantindo a adequada preparação logística. Estes cuidados destinam-se a assegurar a segurança dos técnicos nas acções de descida, deslocação pelo afloramento rochoso, captura e manuseamento das aves, e garantir a menor perturbação sobre as aves. Foram escolhidas pistas de escalada de acesso ao inho através de análise prévia das fotografia das escarpas, envolvendo a descida na vertical até ao ninho e daí um rapell final até à base da escarpa onde estaria já “montada” uma estação de apoio à marcação das aves.

 

Observação da fraga com telescópio
Observação da fraga com telescópio

 

Preparação da descida
Preparação da descida

 


Acesso ao ninho e marcação dos juvenis

O tempo de descida aos ninhos dependeu da dimensão do afloramento rochoso e da dificuldade de acesso ao ninho. Em média cada processo de marcação envolveu cerca de 3 horas, cerca de 30-40 minutos na descida (incluindo preparação), 60 mi horas na manipulação do indivíduo e mais 20 mi na ascensão. Por forma a evitar o sobreaquecimento das crias durante a manipulação, uma vez que nos vales do Douro e do Tejo já faz muito calor em Maio e Junho as descida foram efectuadas preferencialmente durante a fase inicial do dia.


Descida ao ninho
Descida ao ninho

 

Transporte do juvenil para a base da fraga
Transporte do juvenil para a base da fraga

 


Manipulação das aves e colocação dos PTTs

A colocação dos PTTs nas aves foi efectuado por um técnico credenciado da Direcção Geral de Conservação da Natureza de Espanha (Sr. Vítor Matarranz). A técnica de fixação do aparelho à região dorsal da ave faz-se através da cosedura cruzada de 2 tiras de fita “teflon” (material sintético simultaneamente resistente e macio) que correspondem às alças do PTT como se de uma mochila (“backpack”) se tratasse. Está demonstrado que este tipo de fixação não afecta a capacidade de movimentação da ave, acabando por se soltar totalmente em caso de ruptura de uma das tiras ou assim que os fios de algodão da cosedura se tenham deteriorado (após 2 a 3 anos). Esse período corresponde normalmente ao tempo de vida útil deste tipo de equipamento. Após a colocação do PTT a ave é recolocada no ninho onde acaba o seu normal processo de crescimento, abandonando este após 10 a 15 dias.


Imobilização de um juvenil de Águia de Bonelli
Imobilização de um juvenil de Águia de Bonelli

 

Imobilização de um juvenil de Águia-real


Pesagem de um juvenil de Águia de Bonelli
Pesagem de um juvenil de Águia de Bonelli


Utensílios necessários à colocação do PTT
Utensílios necessários à colocação do PTT

 

Preparação para colocação do PTT
Preparação para colocação do PTT


O PTT usado nas águias reais
O PTT usado nas águias reais


Colocação do PTT
Colocação do PTT

 

 

Devolução de um juvenil ao respectivo ninho
Devolução de um juvenil ao respectivo ninho
(Foto José Jambas)


Juvenil com PTT após devolução ao ninho
(Foto José Jambas)