O projectoO SisãoSeguimento Via SatéliteÁrea EstudoResumo
Leia o nosso Diário de Bordo Home PageContactosLinks


Seguimento Via Satélite

Como funciona

Satélites com órbitas polares
Satélites com órbitas polares

O sistema Argos é gerido pela uma empresa francesa CLS (Collecte Localisation Satellites), (www.cls.fr). Este sistema pode localizar e receber dados das plataformas emissoras (PTTs) em qualquer ponto do mundo, seja em terra ou no mar. Presentemente a Argos monitoriza 5000 plataformas, que incluem aparelhos colocados em aves e noutros animais, em barcos, em bóias para medir correntes, em veículos com cargas perigosas, etc. Este sistema monitoriza também plataformas estáticas, em geral situadas em locais inóspitos e inacessíveis, que por exemplo servem para medir a profundidade dos rios, a altura e tipo de neve, o barulho produzido pelos vulcões.

Os instrumentos da Argos encontram-se a bordo de satélites meteorológicos (National Oceanic and Atmospheric Administration -NOAA). Pelo menos dois destes satélites estão sempre operacionais. Estes circulam em orbitas polares, a cerca de 850 Km de altitude da superfície terrestre. Os satélites “varrem” uma área da superfície terrestre equivalente a um círculo com 5000 Km de diâmetro, sendo o tempo médio de sobrevoo do satélite sobre o PTT cerca de 10 minutos. Sendo as orbitas destes satélites polares,

Satélites varrendo uma área com um diâmetro
Satélites varrendo uma área com um diâmetro
de 5.000 Km

verifica-se que quanto maior a latitude maior a frequência da passagem dos satélites, podendo atingir um máximo de 56 passagens diárias nos pólos (ver figuras).

O cálculo das localizações com o método Doppler
Os PTT emitem em média 1 sinal por minuto e para se poder calcular uma localização com qualidade via método Doppler o satélite tem de receber pelo menos 4 mensagens (ver capítulo seguinte). Depois de guardada essa informação, os satélites enviam-no para um centro terrestre CLS, onde são processadas as mensagens recebidas, calculando a localização do PTT e convertida num formato em que possa ser lido pelos utilizadores. Por último essa informação é depois enviada para o correio electrónico dos coordenadores dos estudos.

De forma simplista este tipo de cálculo de localizações é comparável por exemplo com a percepção que obtemos de um comboio que se começa a ouvir ao longe, que se aproxima e depois se afasta, permitindo estimar o local por onde passou mais

Cálculo das localizações com o método Doppler
Cálculo das localizações com o método Doppler

próximo. Da mesma maneira os satélites captam as variações das frequências do sinal emitido pelo PTT, à medida que o sobrevoa (ver figura).

Tipos de localizações
Localizações do tipo 1, 2 ou 3 - para serem calculadas localizações com um mínimo de qualidade o satélite tem de receber 4 mensagens consecutivas – e resultam em localizações com uma precisão variável entre 150 e 1000m (dependo do número de mensagens recebidas). Apenas cerca de 30% das localizações obtidas correspondem a localizações 1, 2 ou 3 (ver figuras).

Localizações do tipo 0, A, B ou Z – localizações calculadas tendo por base entre 1 e 3 mensagens, com um erro associado geralmente muito grande, não sendo consideradas localizações com qualidade (ver figuras).

 

 

Cartografia de todas as localizações obtidas: Z, A, B, 0, 1, 2 e 3   Cartografia com apenas as localizações de qualidade: 1, 2 e 3
Cartografia de todas as localizações obtidas:
Z, A, B, 0, 1, 2 e 3
 
Cartografia com apenas as localizações de qualidade:
1, 2 e 3