O projectoO SisãoSeguimento Via SatéliteÁrea EstudoResumo
Leia o nosso Diário de Bordo Home PageContactosLinks


O Sisão

Distribuição e Biologia


Distribuição
O Sisão apresenta uma distribuição altamente fragmentada, ocupando dois núcleos reprodutores principais: um ocidental, abrangendo a Península Ibérica, França e extremo sudeste de Itália (na Sardenha), e outro oriental, no sudeste da Rússia Europeia e o Kazaquistão. Na actualidade reside na Península Ibérica a população mais viável desta espécie, com mais de metade do efectivo mundial.

Em Portugal o Sisão ocorre principalmente no Alentejo, com uma população estimada entre 10.000 e 20.000 indivíduos. Segundo os dados provisórios do Novo Atlas das Aves que Nidificam em Portugal cerca de 85% da distribuição da espécie ocorre no Alentejo, concentrando, no entanto, a quase totalidade da população nacional, estimando uma proporção de 90 a 95%.

Migração e movimentos
As populações do Sul da sua distribuição, em particular da Península Ibérica, tendem a ser sedentárias ou parcialmente migradoras, ao contrário das populações do Norte que são totalmente migradoras. Apesar do conhecimento ser parco neste domínio, foi provado recentemente a invernada na Extremadura Espanhola de Sisões que se reproduziram em França (Bretagnolle, com pess.).

Organização social
Na época de reprodução, os machos adultos formam territórios onde efectuam as paradas, que são visitados pelas fêmeas com o único objectivo de serem copuladas. No Inverno é gregário. Nessa altura, os bandos podem atingir centenas ou mesmo milhares de indivíduos e é habitual o uso de dormitórios comunitários.

Fêmea em final de período reprodutor

Macho adulto com plumagem nupcial
Foto: Carlos Carrapato

Dimorfismo sexual
Os machos em época de reprodução apresentam uma plumagem nupcial distinta da das fêmeas.

Reprodução
As fêmeas fazem o ninho no chão, seleccionando uma vegetação baixa, geralmente coincidente com pousios e na proximidade de machos em parada. A postura é habitualmente de 3 ou 4 ovos que são incubados durante 20 - 22 dias. As crias têm os cuidados parentais apenas da fêmea e completam o crescimento aos 50 – 55 dias.

Parâmetros demográficos
A maturidade sexual é atingida no primeiro ou no segundo ano no caso das fêmeas e no segundo ano no caso dos machos. Há uma falta de conhecimento considerável neste campo.

 

Macho adulto com plumagem nupcial
Fêmea em final de período reprodutor
Foto: Carlos Carrapato

Alimentação
Os adultos alimentam-se sobretudo de matéria vegetal, nomeadamente rebentos, folhas, flores e sementes. Em zonas agrícolas mostram preferência por leguminosas e crucíferas. A alimentação das crias é essencialmente animal, à base de insectos, principalmente gafanhotos e escaravelhos.